Aposentados portadores de doenças graves são isentos de Imposto de Renda

December 2, 2016

 

A Lei n. 7.713/88 dispõe que as pessoas portadoras de doenças graves são isentas do Imposto sobre a Renda da Pessoa Física (IRPF), contanto que se enquadrem de maneira cumulativa nas seguintes hipóteses:

 

1) Os rendimentos sejam relativos a aposentadoria, pensão ou reforma, e;

 

2) Portem alguma das seguintes doenças:

 

a) AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida)

b) Alienação Mental

c) Cardiopatia Grave

d) Cegueira

e) Contaminação por Radiação

f) Doença de Paget em estados avançados (Osteíte Deformante)

g) Doença de Parkinson

h) Esclerose Múltipla

i) Espondiloartrose Anquilosante

j) Fibrose Cística (Mucoviscidose)

k) Hanseníase

l) Nefropatia Grave

m) Hepatopatia Grave

n) Neoplasia Maligna

o) Paralisia Irreversível e Incapacitante

p) Tuberculose Ativa

 

O STJ entende inclusive que, em casos de câncer, "após a concessão da isenção do Imposto de Renda sobre os proventos de aposentadoria ou reforma percebidos por portadores de moléstias graves, nos termos art. 6º, inciso XIV, da Lei 7.713/88, o fato de a Junta Médica constatar a ausência de sintomas da doença pela provável cura não justifica a revogação do benefício isencional, tendo em vista que a finalidade desse benefício é diminuir o sacrifícios dos aposentados, aliviando-os dos encargos financeiros". (AgRg no REsp 1500970 / MG)

 

Hipóteses que não geram isenção

 

I - Não gozam de isenção os rendimentos decorrentes de atividade empregatícia ou de atividade autônoma, isto é, se o contribuinte for portador de uma moléstia, mas ainda não se aposentou;

 

II - Não gozam de isenção os rendimentos decorrentes de atividade empregatícia ou de atividade autônoma, recebidos concomitantemente com os de aposentadoria, reforma ou pensão;

 

III - Os valores recebidos a título de resgate de entidade de previdência complementar, Fapi ou PGBL, que só poderá ocorrer enquanto não cumpridas as condições contratuais para o recebimento do benefício, por não configurar complemento de aposentadoria, estão sujeitos à incidência do IRPF, ainda que efetuado por portador de moléstia grave. 

 

Fonte: Receita Federal; Lei Lei n. 7.713/88

Imagem: Google Imagens

Please reload

Principais Notícias

STJ suspende execução trabalhista de grupo empresarial em recuperação

January 30, 2018

1/10
Please reload

Notícias Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Busca por Tags